Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a24

"Todos elogiam o sonho, que é o descansar da vida. Mas é o contrário, Doutor. A gente precisa do viver para descansar dos sonhos"

a24

"Todos elogiam o sonho, que é o descansar da vida. Mas é o contrário, Doutor. A gente precisa do viver para descansar dos sonhos"

Custa tanto

Abril 19, 2013

a24

Saindo

Abril 18, 2013

a24

Parei de procurar-te

Abril 18, 2013

a24

Desculpa-me se não estou
Parei de procurar-te
E por perder-me e não te ter, não sei quem sou

Hoje não viajo no mundo que nos pertencia
No sonho,nos versos,risonhos dos nossos desejos
Fantasia que nos uniu, naquele tão breve dia

Desculpa-me,se hoje não escrevo para ti

Cantaria com desencanto
Os beijos que sentimos, a saudade que deixaste
Da minha boca nasceria a fome,do poema,orvalho em pranto
E o amor que não vivemos, não quiseste mas choraste?

Sabes,
As palavras vão vivendo, adormecidas,o tempo corre indiferente
Deste-me um dia o teu sorriso e o rio cintilava alegria
O luar de vãs promessas,sol em lágrimas na mente
Dos segredos que adivinhamos, o nosso abraço foi magia

Desculpa-me,se hoje não quero pensar em ti


Paula Oz

EM ALGUM LUGAR DO PASSADO

Abril 18, 2013

a24



Quão intensos foram nossos sentimentos,
Quando tão crentes, planos de amor fazíamos!
Naquele tempo, somente o que queríamos
Era viver, plenamente, tais momentos.
Riamos dos mesmos acontecimentos,
Vivemos a mesma musica que ouvíamos.
Nunca brigamos. Tão bem nos entendíamos!
Sempre incentivaste meus versejamentos.

Almas gêmeas que o destino aproximou
E que algum tempo viveram lado a lado,
Mas que a vida, infelizmente, separou.

Nostálgicas lembranças tenho guardado
Desse amor que com o tempo se gastou
E perdeu-se, em algum lugar no passado.

O desapego

Abril 18, 2013

a24

 
 
 
 
 
O desapego é um dos mais importantes ensinamentos budistas.   Muitos dos problemas da vida são causados pelo apego. Ficamos com raiva, preocupados, tornamo-nos ávidos, fazemos queixas infundadas e temos todos os tipos de complexos. Todas estas causas de infelicidade, tensão, teimosia e tristeza são devidas ao apego. Se você tem algum problema ou preocupação, examine a si mesmo e descobrirá que a c...ausa é o apego. Existe uma famosa história zen sobre um mestre e seu discípulo. Os dois estavam a caminho da aldeia vizinha quando chegaram a um rio caudaloso e viram na margem, uma bela moça tentando atravessá-lo. O mestre zen ofereceu-lhe ajuda e, erguendo-a nos braços, levou-a até a outra margem. E depois cada qual seguiu seu caminho. Mas o discípulo ficou bastante perturbado, pois o mestre sempre lhe ensinara que um monge nunca deve se aproximar de uma mulher, nunca deve tocar uma mulher. O discípulo pensou e repensou o assunto; por fim, ao voltarem para o templo, não conseguiu mais se conter e disse ao mestre: — Mestre, o senhor me ensina dia após dia a nunca tocar uma mulher e, apesar disso, o senhor pegou aquela bela moça nos braços e atravessou o rio com ela. — Tolo – respondeu o mestre – Eu deixei a moça na outra margem do rio. Você ainda a está carregando. Desapego não é desinteresse, indiferença ou fuga. Não devemos nos tornar indiferentes aos problemas da vida. Não devemos fugir da vida; não se pode fugir dela quando somos sinceros. A vida e seus problemas devem ser encarados e lidados de frente, mas não são coisas às quais devamos nos apegar. É verdade que o dinheiro tem sua importância, mas a pessoa que se apega a ele torna-se avarenta e escrava do dinheiro. É muito fácil nos apegarmos à nossa beleza, às nossas aptidões ou às nossas posses, e assim nos sentirmos superiores aos outros. É igualmente fácil nos apegarmos à nossa feiúra, à nossa falta de aptidões ou à nossa pobreza, e assim nos sentirmos inferiores aos outros.  O apego às condições favoráveis leva à avidez e ao falso otimismo, enquanto que o apego às condições desfavoráveis leva ao ressentimento e ao pessimismo. Sem dúvida, nosso apego às coisas, condições, sentimentos e idéias é muito mais problemático do que imaginamos. Quando adoecemos, chegamos até mesmo a nos apegar à doença. É melhor não fazermos isso. Todas as doenças serão curadas, exceto uma, que é a morte. Quando você estiver doente, aceite a doença e faça o possível para se recuperar. Aceite a doença e a transcenda… ou melhor, aceite-transcendendo. A vida é mutável; todas as coisas são mutáveis; todas as condições são mutáveis. Por isso, “deixe ir” as coisas. Todos os abusos, a raiva, a censura – deixe que venham e que se vão. Tudo o que fazemos, devemos fazer com sinceridade, com honestidade e com todas as nossas forças; e uma vez feito, feito está. Não nos apeguemos a ele. Muitas pessoas se apegam ao passado ou ao futuro, negligenciando o importante presente. Devemos viver o melhor “agora”, com plena responsabilidade. Quando o sol brilha, desfrute-o; quando a chuva cai, desfrute-a. Todas as coisas nesta vida – deixe que venham e deixe que se vão. Este é um segredo da vida que nos impede de ficar aborrecidos ou neuróticos. Buda disse que todas as coisas na vida e no mundo estão em constante mutação; por isso, não se torne apegado a elas.

Ainda bem...

Abril 15, 2013

a24

Escolhas

Abril 15, 2013

a24

...

Abril 14, 2013

a24

...

Abril 14, 2013

a24

“O problema é que queremos que as
pessoas entendam como estamos nos
sentindo, mas a verdade é que nem nós
mesmos sabemos. O problema é que
existem pessoas que se importam, mas
não acreditamos em nenhuma delas. É
uma espécie de paradoxo. Fugimos na
intenção de que alguém nos procure.
Vamos embora na intenção de que nos
peçam pra ficar. Não dizemos, mas
queremos que percebam. É confuso, é
complicado. O problema é sermos
humanos, o problema é termos
sentimentos.”

...

Abril 14, 2013

a24

OS OMBROS QUE SUPORTAM O MUNDO

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus. 
Tempo de absoluta depuração. 
Tempo em que não se diz mais: meu amor. 
Porque o amor resultou inútil. 
E os olhos não choram. 
E as mãos tecem apenas o rude trabalho. 
E o coração está seco. 

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás. 
Ficaste sozinho, a luz apagou-se, 
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes. 
És todo certeza, já não sabes sofrer. 
E nada esperas de teus amigos. 

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice? 
Teus ombros suportam o mundo 
e ele não pesa mais que a mão de uma criança. 
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios 
provam apenas que a vida prossegue 
e nem todos se libertaram ainda. 
Alguns, achando bárbaro o espetáculo 
prefeririam (os delicados) morrer. 
Chegou um tempo em que não adianta morrer. 
Chegou um tempo que a vida é uma ordem. 
A vida apenas, sem mistificação.

Carlos Drummond de Andrade

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D